Sou educadora e escritora

Minha foto

 
 
 Elany Morais nasceu em Caxias-MA, é pós-graduada em Literatura Brasileira, atua como professora na rede Municipal e Estadual do Maranhão. Como educadora, vem criando projetos que têm como objetivo despertar e incentivar o interesse dos educandos pela leitura. Com relação à prática literária, escreve os mais variados gêneros, como poema, conto, crônica, memórias... Recentemente participou das antologias poéticas:"Melhor de Mim", publicada pela editora Poesias Escolhidas - Belo Horizonte /MG, "Entrelaços" e "Pétalas", ambas publicadas pela Darda Editora - Rio de Janeiro - RJ. É colunista do jornal "O Diário de Caxias “

sábado, 19 de maio de 2018

VIVER O AGORA


Por Elany Morais
O futuro é um embrulho que, possivelmente, pode não ser desembrulhado. O depois pode ser morte, pode ser nada. Então, cabe-me viver o instante - que rapidamente passa- por isso, ele não deve ser óbvio ou banal. Todo momento é irrepetível.
É estupidez desperdiçar uma vida que terá fim. Que raio de mania é essa de pensar para amanhã? Há que se cuidar para que o presente não se engasgue ou apodreça com as agruras do passado É difícil amá-lo? É nele que descansa a nossa existência. Por que guardar a vida para mais tarde?
O presente pode até ser obscuro, ou tentando ser o futuro, mas ele é o único estado possível das coisas. É a parte da, talvez, eternidade. Eternidade essa que podemos interferir, melhorá-la. E por que não fazer dessa quase infinitude algo que valha a pena lembrar?
Olhar demasiadamente para o passado ou para o futuro, esvazia o presente, faz- o escapar. É no presente que nossa vida se desenrola, é nele que a permanência é constante.
O presente é a face da nossa existência. E por que não vivê-lo?

Todos os direitos reservados a Elany Morais

sábado, 28 de abril de 2018

O PODER DO AMOR


Por Elany Morais
O amor não embesta,
revela, do ser, a essência 
enlutada, encoberta,
disfarçada!
O amor não é cego,
desvela a alma fechada,
enrugada, sedenta, adestrada!
O amor não tem caprichos,
pretextos, medos, destinos,
ou desvios...
O amor é mistério, que
num gesto, forma e transforma
o que na alma assola!!
IMAGEM: Elany e o Zéfiro!!!

Todos os direitos reservados a Elany Morais

domingo, 1 de abril de 2018

ENTREVISTA DE NÉA TAUIL - EDUCANDO PARA O AMOR-PRÓPRIO


Entrevista Programa Fortunati TVU com NÉA TAUIL, Psicóloga - Psicoterapeuta, coordenadora da Família Eu - movimento social: educando para o amor-próprio. AMOR PRÓPRIO É PARA TODOS! Junte-se a nós!

segunda-feira, 26 de março de 2018

TRAIÇÃO DOS DEUSES


Por Elany Morais

Minha tragédia tem um silêncio
quase inflexível.
Os deuses de minha infância
me traíram
e as emoções se fraturaram..
O velho tempo, sempre fiel,
não foi complacente com meus
suspiros queixosos.
Os ais foram derramados
inutilmente.
Do sol os raios foram apagados
pelas trevas alheias
mas os pensamentos gritaram
no breu reluzente.


Todos os direitos reservados a Elany Morais

sexta-feira, 16 de março de 2018

VOU DIZER


Por Elany Morais


Doida para dizer
que nesse país
a violência é bestial,
que vida alheia parece um mal,
que derramar sangue é algo natural,
e que a injustiça acaba em carnaval!!
Doida para dizer
que nesse país,
o crime tem seu sócio,
que o sacerdócio é um negócio
e que última palavra é do capadócio!
Doida para dizer
que nesse país
a exploração é a raiz,
que não fecha do negro a cicatriz,
que o senhor do capital é infeliz,
que poucos há quem diz
que da honestidade é um aprendiz.

Todos os direitos reservados a Elany Morais

quarta-feira, 7 de março de 2018

HORAS BRANCAS

Por Eany Morais
Nos primeiros minutos brancos, a verdade de si foi desvelada. Os breus ganharam formas alvas, um renascimento, uma nova leitura, novas pistas: era a poesia do eu.

Desde então, nenhuma janela ficou anônima. Todas ganharam nomes. Foi o apogeu da posse de si por si. Agora há que se andar com os dois pés firmes. Nada mais será sonho de ingratidão. Os gostos verdadeiros se fixarão na boca. O outro será o outro, sem transfiguração. Os desejos desesperados terão rédeas. As mágoas terão remédios: cresce um mundo bem no meio do ser.

Nenhuma dor é elegante. Há que se desvelar. Vida é coisa para não se matar. É preciso ser paraíso de si, Civilizar-se a si mesmo. Abraçar-se com a calma de uma alma em paz. Necessário é foice que faça um corte frio nas cobertas dos segredos inconscientes que regem o destino. Dessa forma, horas e horas brancas se multiplicarão na vida de quem se propõe a conhecer-se, para melhor viver, nos mistérios dessa existência.

Todos os direitos reservados a Elany Morais